30.11.15

A Associação de Solidariedade Social Mercado dos Santos precisa da nossa ajuda para fazer Cabazes de Natal para 30 famílias carenciadas. 

O que é preciso?

- batatas
- azeite
- cebolas
- legumes
- bacalhau
- açucar
- massa aletria
- arroz
- farinha
- mel
- canela
- ovos
- enchidos
- etc.


Como podemos ajudar?

1. Fazer compra online. Morada para envio: 
Mercado dos SantosRua do Alambique, n.º 139
4475-101 Maia


2. Carregamento de um cartão de supermercado e a associação compra no respectivo supermercado. Morada para envio: 
Mercado dos SantosRua do Alambique, n.º 139
4475-101 Maia


3. Transferência do valor pretendido para o NIB 0046 0190 00600233641 55A

4. Compra dos alimentos e entrega num dos parceiros do Mercado dos Santos. Enviar mensagem privada para conhecer os locais.

5. Entrega no Mercado dos Santos | Edição de Natal, na Douro Marina


27.11.15

Vencedor do Giveaway Fofuras da Neya

O vencedor do Giveaway Fofuras da Neya é a Elsa Moreira. Pode entrar em contacto com a página para reclamar o seu prémio. Parabéns!

As mais belas roupinhas de Natal

Antecipando o Natal, que está quase a chegar, faço uma pequena selecção das minhas roupinhas preferidas. Quais as vossas preferidas? Não consigo escolher. É tudo tão lindo...

Tilly

Conta-me um Conto

Conta-me um Conto

Leite Creme

Leite Creme

MIM-Store

MIM-Store 
Sal&Pimenta

Sal&Pimenta

TicTac Babies

TicTac Babies

26.11.15

A perda da Maria

Depois de 27 anos sem qualquer sinal, o alarme do relógio biológico da Maria (nome fictício) soou. Conversou com o F. e marcaram uma consulta pré-natal. Fez análises, exames, iniciou o ácido fólico e parou de tomar a pílula. 4 meses depois, surgiu o tão esperado teste positivo. A segunda risquinha era tão clarinha que nem parecia verdade, mas era mesmo positivo sem margem de dúvida! Nesse mesmo dia, tal foi a felicidade de F. que ele contou a novidade aos amigos mais próximos.

A primeira ecografia foi feita no dia 14 de Fevereiro. Estava tudo bem! Tinha 5mm e já puderam ver os batimentos cardíacos! Estes pais saíram do consultório envoltos em felicidade. Como é que um ser tão pequenino podia já ser tão amado?

Na ecografia seguinte, o bebé já teria 9 semanas, mas foi aí que o pesadelo começou. Assim que a médica começou a fazer a ecografia, a sua cara indicava que alguma coisa não estava bem. Na sua inocência, Maria nunca pensou que fosse o que realmente seria. Entretanto, ela diz “Infelizmente, tem uma gravidez não evolutiva…” Maria gelou! O bebé tinha parado de se desenvolver desde as 7 semanas, ou seja, uns dias depois da primeira ecografia. A Maria não teve qualquer indício de que alguma coisa não estivesse bem. Até notou a barriga a crescer… Ainda na consulta, conversaram sobre os próximos passos a dar e optaram por esperar uns dias para ver se o corpo da mãe fazia a expulsão. Caso isso não acontecesse, deveria ir ter com a médica ao hospital. Foi isso que acabou por acontecer. Esse dia foi muito difícil. Maria chorou muito, mas não acreditava que aquilo estava a acontecer. “Porquê a mim? Porque é que aquilo tinha acontecido? Será que fiz alguma coisa de mal? Seria eu a culpada?” Essas eram perguntas sem resposta.

Depois contar à família e amigos o que tinha acontecido, foi como se a dor se tivesse instalado. Deu entrada no hospital, fez a medicação para a expulsão, mas o bebé recusava-se a sair e mantinha-se agarradinho à sua mamã. Como não havia descolamento, deram a Maria a possibilidade de esperar até ao dia seguinte e ir tentando a medicação ou ir ao bloco fazer a curetagem. Maria foi ao bloco. F., que até então a tinha apoiado em todos os momentos, não a pôde acompanhar. Quando acordou, já no recobro, Maria sentia-se vazia e com uma dor enorme na alma. O seu bebé já não estava consigo! O que se seguiu foram muitas noites sem conseguir dormir e dias passados a chorar. Um sofrimento indescritível.

Quando fizeram a consulta de seguimento para ver se estava tudo bem com Maria, a médica já tinha o resultado da autópsia ao bebé, mas não havia nada de concreto. As dúvidas continuavam. As pessoas à sua volta diziam que mais valia assim do que nascer com problemas, que mais valia agora do que mais tarde, que ainda era nova e que podia tentar mais tarde. Estas palavras causaram-lhe muito sofrimento na altura, apesar de Maria saber que o faziam apenas na tentativa de a reconfortar pela sua perda. Parecia que ninguém entendia pelo que Maria estava a passar, evitava-se o assunto, era como se nada se tivesse passado.

Para fazer a catarse da sua dor, Maria optou por ler bastante sobre perda gestacional e contactou com muitas mamãs que já tinham passado pelo mesmo. Foi muito bom saber de histórias semelhantes e conhecer mães que conseguiram dar a volta por cima e continuar a tentar. Foi verdadeiramente inspirador.

Maria e F. não desistiram e, 4 meses mais tarde, tiveram o seu segundo teste de gravidez positivo. Desta vez, a felicidade foi mais contida e mantiveram a novidade escondida. Marcaram consulta para fazer a ecografia, mas uns dias antes Maria começou a perder sangue e foi ao hospital. A espera para ser atendida pareceu uma eternidade e, quando chegou a hora de fazer a ecografia, o seu mundo parou outra vez. Tinha sido um aborto espontâneo e o útero já estava limpo. Uma vez mais, não baixaram os braços e continuaram o seu caminho. Ficaram com indicação médica para que, assim que engravidasse novamente, fizesse medicação de prevenção com aspirina e Progeffik.

Apesar de tudo, esta história tem um final feliz. Um ano depois do primeiro teste positivo, a felicidade volta a repetir-se. Sempre com medo, cautela e ansiedade, Maria viveu, assim, uma gravidez tranquila e o seu bebé nasceu às 41 semanas. Como Maria diz: “Hoje tenho um filho na Terra e dois no Céu, e tenho a certeza de que estão sempre a olhar por nós.

Imagem: Pais & Filhos



24.11.15

Árvores de Natal de parede



O primeiro Natal da Maria Victória foi no ano passado. Pela primeira vez, eu e o pai, decorámos a casa com verdadeiro entusiasmo!

Na altura, o único problema que tivemos foi mesmo com os gatinhos. Agarraram-se à árvore de Natal e veio tudo parar ao chão. A Maria Victória ficou fascinada com as luzes.

Este ano já decidimos que não podemos fazer a árvore com o aparato do ano passado. Para além dos gatos, temos uma pestinha de 19 meses que mexe em tudo! Não ia ficar nada no lugar!

Foi então que me lembrei que há sempre alternativas engraçadas e compatíveis com crianças mais pequenas. As àrvores de Natal de parede podem ser colocadas na parede ou mesmo numa porta, à altura desejada. Deixo aqui algumas sugestões, para pais mais ou menos habilidosos. Qual a vossa preferida?




























































































































Imagens: Pinterest

23.11.15

Follow my blog with Bloglovin

A gravidez em cartoon


Line Severinsen (@kosogkaos) é ilustradora e mãe de 2 filhos. Presenteou-nos com retratos humorísticos, mas muito reais, do dia-a-dia difícil de uma grávida.














20.11.15

Vencedor do Giveaway Entre Linhas e Papéis

A vencedora é a Elisa Esteves. Por favor, envie uma mensagem privada para a Entre Linhas e Papéis para escolher a sua moldura. 

Giveaway Fofuras da Neya - Teste Positivo

Para poderem ganhar este lindo conjunto de fralda, babete e saquinho para chupeta, so têm de:

- Fazer like na página de facebook das Fofuras da Neya
- Fazer like na página de facebook do Teste Positivo
- Partilhar este post no facebook
- Comentar, identificando 2 pessoas

Termina a 26 de Novembro, às 23:59.
O sorteio vai ser feito através de random.org


.