7.8.16

Presentes de parto

O presente de parto, ou push present, é o presente que o pai dá à mãe por ter dado à luz o seu filho.
Este conceito surgiu nos Estados Unidos, claro, onde se arranjou mais uma forma de incentivar o consumismo. Pessoalmente, não tenho nada contra. Sou mulher, logo seria a receptora do presente. Não vou reclamar, não é? Por outro lado, tentar arranjar uma compensação pelo transtorno que foi para a mulher ter dado à luz um bebé, preocupa-me. Em primeiro lugar, não há compensação possível. É uma experiência única e irrepetível e todas as mulheres deveriam sentir-se privilegiadas por poderem passar por ela. Depois, associar um valor pecuniário ou um presente ao nascimento de um bebé pode soar um pouco a venda. 
Nos Estados Unidos, onde a moda começou, são várias as notícias de celebridades que receberam jóias e carros caríssimos. Também não me choca porque eles são muito ricos, logo é natural que os presentes sejam proporcionais. O problema é quando os mortais comuns tentam equivaler-se e prejudicam a saúde financeira da família para cumprir com uma moda sem sentido. 
No meu caso pessoal, passei a gravidez toda a reclamar um presente. Blá blá blá... não era justo eu estar a ter o desconforto todo e o bebé ser dos dois... blá blá blá... a Kim Kardashian teve um presente e eu também quero... blá blá blá... Se não compro agora a carteira, depois do bebé nascer é que não compro!! A bebé nasceu, não recebi nenhum presente e não me fez falta. A minha atenção estava absolutamente focada naquela menina que mudou a minha vida por completo. Era tudo por e para ela. 
Mais ou menos um mês depois da minha menina ter nascido, recebi a visita de uma amiga muito querida. Ela já tinha passado no hospital, mas aguardou quase um mês para ir a casa ver-nos. Levou um presentinho para a Maria Victória e, qual não foi o meu espanto, tinha também um para mim. Era uma pulseira muito delicada que ainda hoje uso. Apesar de não ter filhos, esta amiga revelou ter uma sensibilidade enorme e respeito pela fase que eu estava a viver. Ao fim de um mês, até achei estranho alguém ter pensado em mim, já que as atenções estão todas viradas para o bebé. E soube-me tão, mas tão bem! O presente do pai também chegou uns meses mais tarde. :)
Se me falarem num presente que celebra a mãe, que procura valorizar a mulher que se abandona para se dedicar de corpo e alma aos seus filhos, então, sim, venham lá eles. Se querem mimar a mulher todos os dias, estando ao seu lado, partilhado tudo, melhor ainda. É barato e faz milagres! 
Resumindo, vale tudo! Celebrem-se os bebés, as mamãs e os papás! A família é o mais importante, sejamos ricos ou pobres, com ou sem presentes!

Sem comentários:

Enviar um comentário

.